Para combater doenças, Fiocruz liberará na Maré mosquitos “do bem”

Maré de Notícias #94
6 de novembro de 2018
Operação do BOPE deixa 4 mortos, 4 feridos, milhares de crianças sem aulas e postos de saúde fechados na Maré
6 de novembro de 2018

Foto: Peter Illiciev

Maré de Notícias #94 – 01/11/2018

Insetos com bactéria wolbachia podem ajudar a diminuir casos de dengue, zika e chikungunya

Maria Morganti

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) prevê para o fim de novembro a liberação, nas favelas da Maré, de mosquitos aedes aegypti com uma bactéria, a wolbachia, que dificulta a transmissão de doenças como dengue, zika e chikungunya. Em bairros como Olaria, Manguinhos, Complexo do Alemão, Tubiacanga e Bancários, na Ilha do Governador, a liberação já foi feita. Essa bactéria de nome difícil de ser pronunciado, wolbachia (volbakia), passou a ser usada no combate a doenças transmitidas pelo mosquito aedes aegypti quando cientistas da Universidade de Monash, na Austrália, identificaram que, assim que ela era aplicada nos mosquitos, a capacidade de transmissão das doenças ficava reduzida. Os especialistas explicam que a wolbachia é um microrganismo presente em cerca de 60% dos insetos da natureza, e que só consegue ficar viva dentro das células dos mosquitos. Por isso, é um método seguro, que não afeta os seres humanos.

Luciano Moreira, pesquisador da Fiocruz responsável pelo projeto, explica que, para auxiliar na liberação dos mosquitos, conta com a ajuda de instituições locais. “Em todos os territórios em que a gente trabalha, tentamos identificar entidades para parcerias. Pra gente poder trabalhar bem customizado, de uma forma que seja bastante adaptada à realidade local”.

 Na Maré, o projeto está sendo feito em parceria com o “Heróis Contra a Dengue”, iniciativa da Redes da Maré que, apoiada e financiada pela ONG alemã Ireso, atua desde o início do ano em escolas como a Estadual João Borges, na Nova Holanda, e a Municipal Ginásio Escritor Millôr Fernandes, no Salsa e Merengue.

Reforço com heróis

Kelly Marques, coordenadora do “Heróis Contra a Dengue”, conta que o projeto atua para que alunos sejam capazes de serem multiplicadores de ações para combater focos de aedes aegypti e ainda torná-los protagonistas do conhecimento, da ciência. “Eles passam por um processo de formação. São sete capítulos e, geralmente, mais um encontro pra eles testarem se estão conseguindo fazer a abordagem na rua. Aí, começa, de fato, a conscientização, casa a casa. Na verdade, a proposta é que eles sejam protagonistas do próprio ensino”.

A importância do dever de casa

“Eu acho muito importante a parceria com o “Heróis contra a dengue”, porque a gente, apesar de estar trabalhando de uma forma que solta mosquito, que é um pouco contrária, a gente sempre fala que as pessoas têm de continuar fazendo seu dever de casa que é destruir criadouros. Porque o que a gente quer, no final, é ter menos mosquito, mas que esses mosquitos tenham wolbachia. E isso vai ser uma utilidade complementar à nossa, que é muito importante e que tem de ser feita”, afirma o pesquisador Luciano Moreira.

Afra Morais, de 12 anos, uma das alunas do ‘Heróis contra a dengue” na Escola Millôr Fernandes, diz que conscientizar as pessoas sobre os potenciais criadouros dos mosquitos é o ponto alto de sua semana. “É a coisa mais importante que eu faço, que é informar todo mundo do que pode acontecer. Porque tinha muita gente morrendo, um monte de gente pegando zika. Minhas amigas aqui na escola mesmo. Elas ficavam semanas sem vir pra escola. Aí quando eu fiquei sabendo do projeto, eu quis logo entrar”.

Resultados “pé no chão”

De acordo com o pesquisador Luciano Moreira, os efeitos da liberação dos mosquitos com wolbachia na Maré não poderão ser sentidos neste verão. “O processo de liberação dos mosquitos demora quase quatro meses. Então, se a gente começar agora no fim de novembro, lá para março só que a gente termina o processo de liberação. E aí a wolbachia tem de se estabelecer, não é uma coisa de um dia pro outro. Eu seria mais pé no chão dizendo que poderia ver algum resultado no outro verão, não neste”.

 

Loading...
X