Sarampo: prevenir para não remediar

Maré Longboard, um estilo de vida
3 de setembro de 2018
Driblando a crise com criatividade
3 de setembro de 2018

Maré de Notícias #92 – 03/09/2018

Erradicada no Brasil desde 2015, vírus volta a ser motivo de preocupação

Hélio Euclides

Os casos recentes de sarampo no País reacenderam o alerta sobre a doença. Muito comum entre crianças brasileiras, o sarampo tinha desaparecido do Brasil. O último caso relatado da doença tinha ocorrido no Ceará, em julho de 2015. Este ano, porém, foram novamente registrados casos da doença. A Secretaria Municipal de Saúde reforça a orientação de que a vacina é a única forma de prevenção ao sarampo. “Não é recomendado deixar de vacinar uma criança. É a saúde dela que está em jogo”, enfatiza Kelly Alves, mãe de um menino de quatro anos.

O dia D da vacinação foi em 18 de agosto, com uma boa adesão na Maré. Só na Clínica da Família Jeremias Moraes da Silva, na Nova Holanda, foram vacinadas cerca de 700 crianças. “As carteirinhas de vacinação dos meus três filhos estão em dia, nenhum deles teve sarampo. A vacina é uma proteção, não só para a família, mas para a vizinhança. Agora se fala do sarampo, mas são várias doenças existentes, e precisa estar com as vacinas atualizadas”, destaca Andrea Vieira, mãe de dois meninos, um de três anos e outro de quatro anos, e de uma menina de seis meses.

 

Unidades de Saúde da Maré possuem a vacina

Otto Faber Júnior, médico da equipe técnica do Serviço de Vigilância em Saúde do Centro Municipal de Saúde Américo Veloso, da Praia de Ramos, diz que apesar de não existir casos na Maré, não se pode deixar de aplicar a vacina tríplice viral, que protege de três doenças: sarampo, caxumba e rubéola. “Essa proteção está disponível, conforme calendário de vacinação, para crianças aos 12 e aos 15 meses. É importante destacar que a vacina contra o sarampo, para adultos até 49 anos, é direcionada às pessoas que não foram vacinadas anteriormente. Quem já tiver esquema completo, não precisa se vacinar novamente”, explica o médico.

Quem necessitar de mais informações deve procurar uma Unidade de Saúde, levando a caderneta de vacinas para avaliação. “A vacinação acontece de segunda a sexta, das 8 às 17h, nas Unidades de Atenção Primária da Maré: as Clínicas da Família Diniz Batista dos Santos, Adib Janete, Augusto Boal e Jeremias Moraes da Silva e os Centros Municipais de Saúde Vila do João, Américo Veloso e João Cândido”, esclarece Dr. Otto. A convocação acontece para crianças até quatro anos, 11 meses e 29 dias.

As contraindicações para as duas vacinas, Tríplice Viral e Tetra Viral, são: hipersensibilidade grave conhecida a algum componente do insumo, imunodeficiência, pessoas com HIV e quem tenha história de evento adverso grave em dose anterior da vacina. E também levar a Caderneta de Vacinação! Em caso de dúvidas, os pais ou responsáveis poderão pedir orientação ao profissional na unidade de saúde.

Loading...
X