Primeira edição de “Mestres da Periferia” reúne centenas de pessoas

Aquele velho conhecido, o racismo
2 de agosto de 2018
Moradores das favelas da Maré, Penha e Alemão vivem mais um dia de medo e desrespeito aos seus direitos fundamentais
20 de agosto de 2018

 

Prêmio, idealizado pelo Instituto Maria e João Aleixo, reconhece trajetórias e saberes voltados para as periferias

Por Maria Morganti em 15/08/2018

O Galpão Bela Maré reuniu centenas de pessoas para assistir à cerimônia da primeira edição do prêmio “Mestre das Periferias”, realizado pelo Instituto Maria e João Aleixo (IMJA), na última quarta-feira, 8 de agosto. O evento premiou, com o título de mestre e uma bolsa de R$ 30 mil, Conceição Evaristo, Ailton Krenak, Antonio Nêgo Bispo e, in memorian, Marielle Franco, ex-vereadora assassinada no último dia 14 de março.
“Foi uma noite muito emocionante”, afirmou Dalcio Marinho, geógrafo da ONG Redes da Maré. Após a premiação, comandada pela jornalista do Instituto Maria e João Aleixo, Ivana Dorali, a noite continuou com música black, com a DJ Thamy Reis. Criado em 2016, o IMJA é um centro de estudos dedicado à formação, à criação e à difusão de conhecimentos sobre espaços populares.

Sobre os Mestre das Periferias:

Ailton Krenak é líder indígena, cidadão Krenak, jornalista, professor da Universidade Federal de Juiz de Fora e doutor Honoris Causa.

Conceição Evaristo é escritora internacionalmente premiada, mestra em Literatura pela PUC-RIO e doutora em Literatura Comparada pela UFF. Autora de seis livros, criou uma nova forma de escrever na Literatura a partir da #escrevivência, onde suas experiências de vida enquanto mulher negra são bases para suas obras. Disputa a cadeira de nº 7 na Academia Brasileira de Letras.

Antonio Bispo é liderança quilombola ou, como prefere ser chamado, um ‘relator dos saberes’, lavrador, escritor, intelectual, ativista, professor convidado em universidades e documentarista.

Marielle Franco (in memorian), socióloga e mestra em Administração pela UFF. Cria da Maré, onde passou sua infância e juventude e iniciou sua militância em defesa da Favela. Foi eleita vereadora do Rio de Janeiro em 2016, sendo uma das mais votadas. Foi assassinada em 14 de março de 2018 e ainda não há respostas sobre o crime.

Loading...
X