Aula Inaugural do CPV teve Flávia Oliveira e Átila Roque num debate sobre Racismo

Intervenção federal-militar no Rio de Janeiro: um olhar a partir da favela
7 de Abril de 2018
Calendário de matrícula e turmas do Ensino de Jovens e Adultos – EJA
11 de Abril de 2018

Foto: Douglas Lopes

No Centro de Artes da Maré, jovens refletiram cerca de três horas sobre racismo, segurança pública e representatividade.

 

Foto: Douglas Lopes

O Centro de Artes da Maré foi palco, na noite de ontem (9/04), da aula inaugural do Curso pré-vestibular da Redes da Maré que teve como tema o “racismo estrutural na sociedade brasileira”. Com a presença da jornalista e colunista do Jornal O Globo e da Globonews, Flávia Oliveira, e do historiador e diretor da fundação FORD, Átila Roque, o evento contou com a presença de cerca de 200 alunos e ex-alunos do curso coordenado por Ernani Alcides Alexandre.

A noite começou com o depoimento dos aprovados no vestibular em 2018. “Lutem, façam o máximo que vocês puderem, porque é tão difícil pensar que aquele lugar também é nosso, que quando você consegue, você não tem palavras. A minha mensagem é ‘não desista dos sonhos de vocês’”. Contou emocionada Jenifer, estudante da Vila do João, que passou para o curso de psicologia na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), e foi intensamente aplaudida pelos presentes.

Temas como “lugar de fala”, representatividade, e segurança pública também foram abordados, com perguntas feitas pelos alunos e funcionários da Redes aos palestrantes no evento que durou cerca de três horas. Para Flávia Oliveira, os questionamentos foram “sofisticadíssimos” e pertinentes. “Vocês são agentes da transformação que estamos vivendo. Precisamos contar nossas histórias sobre as delícias de ser preto, pobre e favelado”, disse a jornalista aos olhos atentos dos alunos.

“Muito produtivo, muita coisa que eu não sabia eu aprendi, muita coisa diferente”, avaliou Pedro Vinicius, aluno que prestará o ENEM para geologia. “Queria ficar a noite inteira aqui. Mas sem perguntas, porque elas não foram bolinho não”, disse rindo, o professor Átila. “Não desistam porque vocês têm o direito de ser o que vocês quiserem ser. Vão para cima”, finalizou o historiador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading...
X