‘Maré Cheia’ traz poesia criada na Maré

O Rio de Janeiro sob pressão
2 de Fevereiro de 2018
É duro conviver com ela
16 de Fevereiro de 2018

Livro Maré Cheia | Foto: Douglas Lopes

Matheus de Araújo Fonseca, de 20 anos, lança primeiro livro de poesia

O poeta Matheus Araújo, morador do Parque Rubens Vaz, lançou, na noite da última sexta-feira, no Centro de Artes da Maré; o livro de poesias Maré Cheia. O jovem poeta, que também é músico, distribuiu autógrafos e seu apresentou com a Afrontaria, banda que integra.

Matheus também convidou amigos poetas, para uma roda de poesia. Cerca de setenta pessoas estiveram presentes no local curtindo os versos, que foram declamados, e prestigiando o trabalho de Matheus.

Com duas irmãs e um irmão, Matheus conta que foi “criado como todo morador da favela, com bastante dificuldade, mas com o privilégio de ter um pai, uma mãe, e as condições necessárias para chegar onde cheguei”. Formado em Mecânica, pelo Cefet- Centro Federal Tecnológico-RJ, teve o primeiro contato com a poesia aos 18 anos, numa reunião da Curadoria da Festa Literária das Periferias, FLUP, na Vila Autódromo, em 2016;  quando aconteciam as remoções para as obras do Parque Olímpico.

Na roda de conversa, Matheus conheceu a escritora Jeniffer Nascimento e se encantou com o universo literário. A partir de então, passou a frequentar batalhas de poesia e se identificou cada vez mais com o meio.

Em 2017, escolheu o Curso de Letras da UFRJ-Universidade Federal do Rio de Janeiro,  como prioridade no Vestibular, foi aprovado e já está no segundo período de Literaturas em Língua Portuguesa.     

Maré Cheia é o primeiro livro de Matheus. Ele diz que que escreveu com o intuito de expor que “a gente pode fazer o que quiser, independente de ser morador da Maré”. O livro traz histórias inspiradas no cotidiano do autor, incluindo a diferença de tratamento que ele recebe dentro e fora da favela. Ele aborda também, em suas poesias, a ”diversidade, a simplicidade e esperança das pessoas daqui”.

Por que Maré Cheia?

“Somos um oceano que naturalmente deveria chegar em algum lugar, mas por conta dos aterros, que são os preconceitos e predefinições, que nos atingem, precisamos redescobrir nossa história, obter conhecimento e, com isso,  encher a maré até ultrapassarmos esses obstáculos.

O Livro segue à venda. Telefone para contato: (21) 98311-5371

 

O poeta Matheus de Araújo | Foto: Douglas Lopes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *