Cia Marginal – Redes da Maré

Cia Marginal

Arte e Cultura


Em 2006, do encontro da Redes da Maré com um grupo de jovens moradores das comunidades da Maré liderados pela diretora Isabel Penoni nascia oficialmente a Cia Marginal de Teatro. Mais de uma década depois, sempre em parceria com a Redes, a companhia tem uma carreira reconhecida na cena artística contemporânea carioca, com uma trajetória marcada pelo compromisso político de levar a arte da favela para o resto da cidade, do país e até do mundo.

Nestes anos, sempre com pesquisa, o grupo manteve um núcleo estável de atores, consolidou uma equipe de colaboradores, produziu cinco espetáculos, recebeu prêmios e cultivou um público próprio, enchendo suas temporadas dentro e fora da Maré. Um bom exemplo é Eles não usam tênis naique que colheu elogios por onde passou desde sua estreia em 2015, incluindo o Festival de Teatro de Curitiba, o mais importante do país. O texto de Márcia Zanelatto é inspirado no marco do teatro brasileiro Eles não usam black-tie, de 1958, atualizando o conflito de gerações entre pai e filho operários para a favela de hoje, onde pai ex-traficante de drogas tem um embate ideológico com a filha, integrante do tráfico.

Na prática, o embrião da Cia Marginal data do início de 2000 quando Isabel Penoni chegou à Maré para aulas de teatro com jovens, acompanhada da atriz Joana Levi. A partir daí, ambas foram participando de outros projetos na Maré que usavam o teatro como ferramenta crítica, enquanto mais jovens iam se juntando ao grupo, que, com o passar do tempo, consolidou-se numa companhia.

Parcerias, Apoios e Prêmios

2016 – Edital Territórios Culturais – Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro

2014 – Edital Ações Locais – Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro

2013 – Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro – Fomento

2012 – Prêmio Myriam Muniz de Teatro Funarte

2011 – Secretaria Municipal de Cultura – FATE / Secretaria de Estado de Cultura – Edital de Cultura Prêmio Montagem Cênica

2010 – Secretaria de Estado de Cultura – Edital de Cultura

2008 – Secretaria de Estado de Cultura – Edital de Cultura

2006 – Prêmio Myriam Muniz de Teatro Funarte

Turma de extensão e formação: grupo ATIRO

Enquanto a Cia Marginal se transformava numa companhia, nascia também seu braço pedagógico, com aulas de teatro lideradas pelo ator Wallace Lino para jovens da região, replicando assim o modelo inicial do grupo. Um processo que, a partir de 2007, se insere no conjunto de iniciativas artísticas e culturais realizadas pela Redes da Maré.

Hoje, os alunos liderados Lino – que se reúnem na sede da Redes da Maré – sonham em consolidar-se como uma companhia estável, recém-batizada com o nome de Atiro. São 15 jovens que já trabalharam suas memórias sobre a região, gerando o espetáculo Ela pode estar em você, de 2013, sobre o desafio de ter paz num cenário de confrontos entre policiais e criminosos.

Em seguida, criaram uma alegoria sobre os muitos nordestinos que chegaram à região em busca de um sonho num Rio de Janeiro idealizado. Vai circulou pelas 16 comunidades da Maré, inclusive fazendo a abertura dos espetáculos da Cia Marginal no Centro de Artes. Em 2016, o grupo criou Agora eu sei o chão que piso, a partir de uma pesquisa nascida do livro O teatro do bem e do mal, de Eduardo Galeano.

Equipe:

Direção: Isabel Penoni

Produção: Mariluci Nascimento

Atores: Jaqueline Andrade, Geandra Nobre, Phellipe Azevedo, Priscilla Andrade, Rodrigo Souza, Wallace Lino

Colaboradores: Bianca Fero, Diogo Vitor, Rosyane Trotta, Sinésio Jefferson e Joana Levi.


Principais realizações

  • 2017

    Circulação do espetáculo Eles não usam tênis naique por escolas públicas da Maré (Territórios Culturais – SMC) / Eles não usam tênis naique no Itaú Cultural (SP) e em turnê por Portugal, no festival MEXE (Encontro Internacional de Arte e Comunidade), no Porto, e no Teatro Ibérico, em Lisboa
  • 2016

    Comemoração dos 10 anos de companhia / Eles não usam tênis naique no Festival de Curitiba, na mostra Periférico (Espaço Cultura Escola SESC), na mostra Comunidade em Ação (Galpão Gamboa), no FITU (UNIRIO) e no Teatro Glaucio Gill. / Apresentação do repertório completo da companhia como parte do projeto Ocupação Centro de Artes da Maré, com apoio do Fomento Secretaria Municipal de Cultura
  • 2015

    Montagem e temporada de estreia do espetáculo Eles não usam tênis naique, baseado no texto deMárcia Zanellato / Ocupação Grandes Minorias no Teatro Glauce Rocha / Realização do projeto Trocas Marginais, contemplado pelo edital Ações Locais/SMC 2014, com foco na transmissão do conhecimento do grupo a partir de uma oficina voltada para um público jovem local e uma residência para integrantes de grupos de teatro e dança de comunidades de toda a cidade no Centro de Artes da Maré
  • 2014

    Espetáculo Qual é a nossa cara? – Circuito Sesc – RJ / Espetáculo In_Trânsito nos trens e estações da Supervia
  • 2013

    Estreia do espetáculo In_Trânsito nos trens e estações da SuperVia / Ocupação artística Desmonte Marginal, em parceria com a Cia Monte de Gente – Projeto ENTRE Espaço Cultural Municipal Sérgio Porto / Moção de louvor da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, representada pelo vereador Renato Cinco, por “encenar o engajamento do teatro nos dias atuais”
  • 2011

    Estreia do espetáculo Ô, LILI no Teatro Maria Clara Machado e circulação no Teatro da Cia dos Atores, no Centro de Artes da Maré e Espaço Cultural Escola Sesc
  • 2010

    Temporada do espetáculo Qual é a nossa cara?No Teatro Glauce Rocha / Qual é a nossa cara? na II Semana de Ensino do Teatro (UNIRIO) e no Centro de Artes da Maré
  • 2007

    Estreia do espetáculo Qual é a nossa cara? na Casa de Cultura da Maré e circulação no Teatro de Anônimo e no Teatro Glauce Rocha
  • 2005

    Espetáculo Você faz parte de uma guerra? apresentado em diferentes ruas das comunidades da Maré