Sobre a ação da prefeitura de São Paulo na Estação da Luz (Cracolândia)

REUTERS/Paulo Whitaker

 

Eram quase sete horas da manhã de domingo, 21/05, quando a polícia militar entrou na região da Estação da Luz (conhecida como “cracolândia”), no Centro de São Paulo. As primeiras bombas lançadas pelos soldados atingiram o solo, as barracas e as pessoas que estavam no caminho. Começava uma “operação de limpeza da área”, que […]

Foto: Vaniele dos Santos

Nota de Repúdio

Vimos a público manifestar nosso repúdio à série de reportagens intitulada “Famílias do Crack”, veiculada pelo Sistema Brasileiro de Televisão – SBT em seu programa SBT-Rio. Isso decorre do fato deste programa haver exposto de maneira depreciativa e inaceitável diversas pessoas que frequentam algumas cenas de consumo de crack na cidade do Rio de Janeiro, […]

Cracudo não! Reginaldo

 

A cena aberta de consumo de crack, chamada de “cracolândia”, costuma chocar e induzir governantes e a própria opinião pública a defender, como solução para o problema, a repressão policial, longe do entendimento de que por trás do que se vê há diversas questões sociais que nunca foram enfrentadas. Na Maré, o crack vem preocupando […]

A cena do crack de perto

Resultado da oficina de pinhole realizada junto aos moradores da CCFF. Foto: Tatiana Altberg

Por Lidiane Malanquini, Maïra Gabriel Anhorn e Eliana Sousa Silva

No Brasil, as políticas e a opinião pública sobre questões relacionadas a drogas ilícitas se dão essencialmente pela via da repressão criminal. Essa visão, que se traduz na “guerra às drogas”, tem consequências trágicas, principalmente, para as populações de espaços populares. […]

Drogas: o que temos a ver com isso?

Em visita à Maré, neurocientista norte-americano diz que problema das drogas é gerado por falta de política pública e oportunidades de inclusão social e econômica para todos os cidadãos.

Carl Hart, que veio ao Brasil para lançar o livro “Um preço muito alto” (Ed. Zahar), afirma que desinformação contribui para graves equívocos, como pouco dinheiro público direcionado a tratamento, e marginaliza ainda mais negros e pobres.

Gente pra baixo do tapete

Hélio Euclides

Divulgação / SMAS

Prefeitura do Rio adota recolhimento compulsório (obrigatório)de moradores de rua com uso policial.

No cenário das grandes cidades é comum encontrar pessoas que residem nas ruas, praças, debaixo de marquises, viadutos e pontes. Esse fato se torna um problema para as Prefeituras, que lidam de diferentes formas com essa fragilidade da sociedade.

No Rio […]